Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais.

Taça Davis: Presença de Murray insuficiente para vencer Itália

Taça Davis: Presença de Murray insuficiente para vencer Itália
"Com ou sem Fognini no seu melhor, a Itália deve ganhar esta ronda. Murray vai ter de conseguir os três pontos para a Grã-Bretanha passar às semi-finais, o que parece improvável em terra batida e na sua actual forma física." Itália para derrotar a Grã-Bretanha @ 1.55
por Andrelot   |   comentários 0


O especialista em ténis da Betfair, Sean Calvert, acreditava nas hipóteses da Itália antes do torneio e continua do lado dos tenistas de Corrado Barazzutti para os quartos-de-final da Taça Davis contra a Grã-Bretanha este fim de semana.

A Taça Davis é o principal ponto de interesse no ténis masculino esta semana, com os quartos-de-final do Grupo Mundial a jogarem-se este fim-de-semana.

Pela primeira vez desde 1986 a Grã-Bretanha disputa um encontro entre os últimos oito nesta competição, num encontro disputado na terra batida de Itália, no Clube de Ténis de Nápoles.

A última vez que a Grã-Bretanha chegou a esta fase, foi esmagada na relva de Wimbledon por 4-1 pela Austrália e a equipa nesse dia era composta por Jeremy Bates, Andrew Castle e Colin Dowdeswell.
O trio inglês só ganhou um set no quinto encontro (com tudo já decidido) onde Bates viria a bater Paul McNamee e eles vão querer estar muito melhor do que isto quando defrontarem os italianos em terra batida.

No entanto, não gosto das hipóteses deles e a minha escolha pré-torneio, a Itália parece muito mais forte do que a Grã-Bretanha, isto se Fabio Fognini estiver em condições de jogar.

Fogna já tem problemas há uns tempos com uma lesão no quadricepe e provavelmente não devia ter jogado em Miami, mas como é uma prova obrigatória, ele não queria somar zero pontos ao seu ranking, daí ter competido à mesma. 
Até se saiu bem até ter o encontro com Rafa Nadal na quarta ronda e o resultado deste encontro vai depender muito da forma física de Fognini.

Fabio derrotou a Argentina praticamente sozinho na ronda anterior, venceu ambos os encontros de singulares e ainda o de pares, o que permitiu a Andreas Seppi, que estava fora de forma, ficar para segundo plano.

Desta vez, Seppi não se pode voltar a dar a esse luxo e o italiano vai ter de se esforçar e ganhar alguns pontos para a Itália.
O 34º mundial tem uma marca de 15-15 nos jogos singulares da Taça Davis, mas não tem estado em boa forma no circuito, e tem um registo de 4-11 em toda a competição em 2014.

Mesmo assim deve ser suficientemente bom para derrotar jogadores como James Ward e Dan Evans em terra batida, apesar de ser mais jogador de piso rápido e só ter ganho cinco jogos em terra batida esta temporada.

Normalmente seria o elo mais fraco, mas Evans e Ward não são propriamente os melhores representantes do ténis em terra batida, e nenhum deles ganhou um único jogo no quadro principal de uma prova do ATP World Tour em terra batida. 

Ward consegiui vencer Sam Querrey em terra batida, mas a terra batida americana não tem nada a ver com a europeia e prefiro Fognini, Seppi, Paulo Lorenzi ou Simone Bolelli, a Ward ou Evans.

Claro que Andy Murray é a maior esperança da Grã-Bretanha, mas o seu registo em terra batida não é bom e se tanto ele como Fognini estiverem em forma, escolho o último para vencer o duelo, mas Murray é capaz de derrotar Seppi, contra quem tem um registo de 5-1.

Se Fognini estiver com dificuldades é possível que Murray consiga vencê-lo neste encontro, mas como é que está a forma física do inglês? Não pareceu muito à vontade em Indian Wells nem em Miami e apostar neste encontro é complicado, tendo em conta as dúvidas em relação à forma dos dois melhores jogadores.

Pode ser que os anfitriões poupem Fognini até aos pares de sábado ou aos singulares de domingo, dando-lhe mais uns dias de descanso, mas a Grã-Bretanha não se pode dar a esse luxo e os pares podem decidir esta ronda, se Fognini não conseguir dar o seu melhor.

A Grã-Bretanha vai certamente pôr Murray e Colin Fleming a jogar, o que lhe dá uma hipótese razoável, porque os italianos normalmente jogam com Bolelli e Fognini e repito, esse "rubber" vai depender da forma de Fabio, já que Lorenzi nunca jogou pares na Taça Davis e Seppi só o fez por duas vezes. 

Com ou sem Fognini no seu melhor, a Itália deve ganhar esta ronda, Murray vai ter de conseguir os três pontos para a Grã-Bretanha passar às semi-finais, o que parece improvável em terra batida e na sua actual forma física.

Entretanto, a equipa alemã tem sido dizimada pelas lesões, o que significa que o quarteto francês a vai derrotar quase de certeza, franceses que por sua vez não têm Richard Gasquet, enquanto a Suiça deve ser demasiado boa para o Cazaquistão.  

A República Checa não tem Tomas Berdych, mas pode conseguir derrotar o Japão fora de casa, apesar de muito desse encontro também depender da forma - os anfitriões precisam que Kei Nishimori esteja numa forma física rara para conseguirem ganhar desta vez.

Aposta Recomendada:
Itália para derrotar a Grã-Bretanha @ 1.55

Anteriormente Recomendada:
Itália para vencer a Taça Davis a 40.0

in Apostas Betfair

Partilhar "Taça Davis: Presença de Murray insuficiente para vencer Itália" via: