Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais.

Um dos melhores do mundo não desce aos relvados

Um dos melhores do mundo não desce aos relvados
Diário Económico entrevista Paulo Rebelo
por Isabel Lucas, 20/12/2011

Paulo Rebelo é ‘trader’, um gestor de activos financeiros, registado na casa de apostas inglesa Betfair e aplica ao futebol as mesmas regras e a experiência acumulada durante oito anos a trabalhar na bolsa.
por Paulo Rebelo   |   comentários 0

Link para a notícia original


Aos 28 anos, Paulo Rebelo vive entre Porto, Madrid e Londres e ganha na bolsa das apostas desportivas ‘online’ o que poucos ‘traders’ conseguem na bolsa tradicional.

Não é sorte. É ciência. Não é técnica, é estudo aplicado à lei das probabilidades. E não há paixão, há sangue frio e concentração total.
Paulo Rebelo tem 28 anos, guia pelas ruas que levam do aeroporto de Heathrow ao estádio de Wimbledon, mas o sotaque cerrado é do Porto. Não vai haver jogo, mas é naquele cenário de estádio que trabalha há quatro anos, desde que trocou a bolsa tradicional pela bolsa de apostas desportivas 'online'.
Sem revelar rendimentos, ganha mais do que um quadro superior de uma grande empresa, não cumpre outros horários que não sejam o da partida que lhe interessa e sobra-lhe tempo para viajar, jogar PlayStation, estar como a família ou entrar em campo em jogos amigáveis.
Quando lhe perguntam exactamente o que faz, diz: "o meu trabalho consiste em ver um jogo de futebol e traduzi-lo em probabilidades".
Quando a família quer explicar aos outros o que faz o filho, diz simplesmente que trabalha na Internet por não conseguir entender o que a maior parte das pessoas também não consegue.
Ou seja, como é que aos 28 anos se ganha o dinheiro suficiente para ter uma casa em Londres, outra em Madrid, outra no Porto e vários carros de grandes cilindradas. Tudo sem tirar os olhos de um jogo de futebol e agarrado ao um computador.

Paulo Rebelo é 'trader', um gestor de activos financeiros, registado na casa de apostas inglesa Betfair e aplica ao futebol as mesmas regras e a experiência acumulada durante oito anos a trabalhar na bolsa.
Primeiro experimentou os cavalos, o ténis, o basquetebol ou o futsal, mas decidiu-se pelo futebol. Era o que permitia ganhar mais dinheiro, aquele onde juntava a liquidez ao conhecimento acumulado durante anos enquanto adepto. Isto é, onde o grau de sacrifício para conseguir lucro era menor.


Um cientista das apostas

Sem dispersar atenções, tornou-se especialista num tipo de jogo. "A minha filosofia é a da especialização", sublinha. Aí, diz-se um estudioso, um cientista das apostas, alguém que analisa ao mais pequeno pormenor as diferentes estratégias que permitem ganhar dinheiro.
Lançar uma hipótese, testá-la e finalmente validá-la ou simplesmente rejeitar. E joga com o dinheiro dos outros para reduzir o risco dele quase ao zero.
Isso mesmo. Paulo Rebelo ganha dinheiro a vender as apostas dos outros, dos que confiam na sua ciência, e não no seu instinto, que Paulo não gosta de ver ser para aqui chamado.
É um profissional, está sempre a lembrar. "Ao contrário dos apostadores simples, os 'traders' conseguem ganhar dinheiro não com a aposta, mas com a variação da aposta", explica. Para isso trabalha em 'full time'.
Analisa um jogo e desmonta-o em probabilidades. Estuda o mercado e prevê o seu comportamento.
Não importa se uma equipa está a ter um percurso vencedor. Importa se o mercado está a apostar nela.
Paulo escolhe o jogo que vai seguir, lê tudo o que pode sobre ele e pouco antes de a partida começar instala-se na cadeira giratória em frente do ecrã que tem em casa. É aí que tudo acontece.

Ontem (no calendário desta conversa) foi dia de Benfica-Basileia, mas Paulo Rebelo ligou a televisão no Real Madrid-Lion. Era neste jogo que ia trabalhar. Razão? Há mais espectadores, logo mais dinheiro a correr entre o universo dos apostadores 'online'.
Paulo não revela quanto ganhou ao longo de uma partida onde pode ter dado umas mil ordens de compra e venda. "Não é apenas o resultado que interessa ou que gera dinheiro.
Todos os incidentes em jogo permitem liquidez, todas as variáveis entram no raciocínio do apostador. Se a equipa está a atacar, se os jogadores estão ou não motivados, se mudou o treinador", explica sem tirar os olhos da estrada, tal qual como quando está de olhos postos num ecrã gigante onde se engana quem pensa que ele é apenas um espectador viciado no jogo.


O Benfica sobe a adrenalina e baixa os lucros

Erro crasso. "Raramente aposto no Benfica", confessa. É que além de movimentar muito menos dinheiro do que outra equipa da Liga Inglesa ou da Liga Espanhola, as que geram mais receitas por serem vistas em todo o mundo, o clube da Luz é aquele pelo qual torce este rapaz do Porto que vem ainda lembrar que a emoção não é boa conselheira, ou, numa linguagem mais técnica, a emoção não maximiza o lucro.
"Os níveis de adrenalina sobem e falta a frieza na decisão. O Benfica já me fez perder muito dinheiro", declara com um sorriso meio amarelo estampado no retrovisor, lembrando um erro do "amigo" Roberto, o guarda-redes, que deixou a bola entrar na baliza e o acabou empatado, Paulo a perder uns dois ou três mil euros, se a memória não lhe falha.
Se falhar, há o 'site' para o lembrar desse jogo "de má sorte" ou "erro de cálculo" da Liga dos Campeões, "valor relativamente pequeno para a banca" que normalmente utiliza, salienta.
Portanto, sorte e azar, só nos 'frangos' dos guarda-redes. Aí entram a par com outras variáveis que permitem não deitar tudo a perder.

Sem revelar quanto ganhou nas menos de duas horas em que durou o Real Madrid-Lion para a Liga dos Campeões, conta o seu recorde mais recente: 36 mil euros que foram parar à sua conta no Porto, onde um dia gostava de ficar sem ter de andar com as malas às costas para estar mais perto do sítio onde as coisas acontecem e haver um acesso mais fácil à informação sobre os jogos que está a seguir e ser tão rápido quanto possível a dar ordens de compra e venda.
Para que o sonho de ficar no Porto se concretizasse, seria preciso que a Liga Portuguesa se tornasse mais competitiva, que houvesse mais gente a ver, logo, mais apostas e dinheiro a rodar, e que a actividade estivesse regulamentada.

Ao contrário do que possa parecer, Paulo Rebelo não se sente nem um pouco contaminado pelo cosmopolitismo de Londres nem pela 'movida madrileña'.
Aos restaurantes étnicos continua a preferir o bife com batatas e arroz feito pela namorada. Também não troca uma partida de futebol com os amigos por uma ida ao Carneghie Hall.
"Tenho gostos simples", justifica como se fosse preciso a alguém que é considerado na casa de apostas onde está inscrito um dos melhores jogadores 'online' do mundo, o que trocado por dinheiro significa não ter de se preocupar muito com a liquidez das suas contas apesar de ter alguns gostos caros, como os carros que lhe vão enchendo as garagens e o fazem ter no mecânico um dos contactos mais preciosos deste apostador profissional.


MERCADO PARA TODOS MAS NÃO PARA QUALQUER UM

Diz que o trabalho mudou a sua personalidade. Indisciplinado, nervoso, emotivo, passou a ser calmo, disciplinado, emocionalmente controlado. Era a única maneira para poder ganhar dinheiro, levar o mais a sério possível uma profissão que pede sangue frio. O dinheiro era o seu objectivo, única maneira de ter a qualidade de vida que queria sem ter de dar contas as patrões e tendo tempo para ele e para as coisas de que gosta.
Além de perceber de futebol, há que perceber o mercado, explica. E explica melhor remetendo para o 'site' que criou para divulgar e promover a sua carreira enquanto 'trader', um pequeno manual de comportamento para jogadores em início de carreira, para os que já seguem há muito os seus conselhos.
Em www.paulorebelo.trader.co fazem-se análises de jogos, dão-se dicas, prognósticos, relatos das apostas mais emocionantes e das experiências que hão-de ficar para a história do mundo da especulação 'on-line'.
Quando o que chama um "jogo de valor esperado positivo", divide a análise com a 'sua' comunidade de apostadores. Gera-se dinheiro a partir de dinheiro e fica-se a saber que "nesta altura, a rentabilidade dos prognósticos de Paulo Rebelo é de 1407%". "Isto significa que quem abriu a conta através do nosso 'site' com 30 euros e apostou sempre 30 euros já ganhou 422,1 euros".



Versão impressa do Jornal Económico de dia 9 de Dezembro:

melhor-do-mundo-nao-desce-relvados-p0

Download da notícia completa.
, , ,

Partilhar "Um dos melhores do mundo não desce aos relvados" via: